AMPHIBIAN CONSERVATION IN THE CAATINGA BIOME AND SEMIARID REGION OF BRAZIL

    loading  Checking for direct PDF access through Ovid

Abstract

The Brazilian Ministry of the Environment (Ministério Do Meio Ambiente, MMA) proposed defining priority areas for Brazilian biodiversity conservation in 2007, but to date, no definitions of priority areas for amphibian conservation have been developed for the Caatinga biome or the semiarid region of Brazil. In this study, we searched for "hot spots" of amphibians in these two regions and assessed whether the priority areas established by the MMA coincided with those suitable for amphibian conservation. We determined amphibian hot spots by means of three estimates: areas of endemism, areas of high species richness, and areas with species that are threatened, rare, or have very limited distributions. We then assessed the degree of coincidence between amphibian hot spots and the priority areas of the MMA based on the current conservation units. We analyzed areas of endemism with the use of a parsimony analysis of endemicity (PAE) on quadrats. The Caatinga biome and semiarid region showed four and six areas of endemism, respectively, mainly associated with mountainous areas that are covered by isolated forests and positively correlated with species richness. All areas of endemism coincided with one or more priority areas defined by the MMA. We identify 15 priority areas for amphibian conservation in the Caatinga biome and semiarid region, including the creation of new full-protection conservation units.

A definição de areas prioritárias para a conservação da biodiversidade brasileira foi proposta pelo Ministério do Meio Ambiente (MMA) em 2007, mas até o presente momento não há estudo metódico que defina áreas prioritárias para a conservação de anfíbios no bioma Caatinga ou no Semiárido brasileiro. Neste estudo, buscamos por "hot spots" de anfíbios nestes dois polígonos e verificamos se as áreas prioritárias do MMA coincidem com areas adequadas para a conservação dos anfíbios. Determinamos os hot spots de anfibios por meio de très estimadores: áreas de endemismo, áreas de alta riqueza de espécies e áreas com espécies ameaçadas, raras e/ou com padroes de distribuição restrita. Em seguida, acessamos o grau de coincidência entre hot spots de anfibios e áreas prioritárias do MMA, igualmente considerando as unidades de conservação correntemente instaladas. A detecção de áreas de endemismo foi realizada pela Análise de Parcimônia de Endemicidade (PAE), usando quadrados. O bioma Caatinga e o Semiárido apresentaram, respectivamente, quatro e seis áreas de endemismo, principalmente associadas a áreas montanhosas cobertas por florestas isoladas, e estiveram positivamente correlacionadas à riqueza de espécies. Todas as áreas de endemismo coincidiram com uma ou mais áreas prioritárias definidas pelo MMA. Nós identificamos 15 áreas prioritárias para conservação de anfibios no bioma Caatinga e Semiárido, além da criação de novas unidades de conservação de proteção integral no Brasil.

Related Topics

    loading  Loading Related Articles